quarta-feira, outubro 06, 2010

Estádio Municipal de Portalegre


LANIFÍCIOS



O Século XVI marca o início de um grande desenvolvimento urbano, com a edificação de novas igrejas e solares, tendência que prosseguirá nos dois séculos seguintes.
A partir da centúria de seiscentos, um factor importante nesse desenvolvimento foi a indústria de Lanifícios, que culminou no tempo de Marquês de Pombal com a fundação da Real Fábrica de Lanifícios de Portalegre.
O Século XIX confirma essa situação, com a introdução de novas indústrias, em especial a cortiça.
Foi Portalegre a segunda cidade alentejana que teve imprensa periódica; em 1846 saiu o primeiro número do Boletim de Portalegre, órgão da Patuleia, impresso de um só lado e afixado à esquina das ruas; antes disso existiu um semanário manuscrito O Portalegrense publicado em 1836.
Portalegre foi sempre muito industrial, pois já no séc. XVI a manufactura de lanifícios tinha intenso labor; criaram-se depois as fábricas de moagem, sabão, tecidos, fabrico de rolhas e demais derivados da cortiça. Na fábrica de tapetes, de género oriental (esmirna) executam-se trabalhos manuais em lã.
A carne de porco tem nesta cidade um dos principais mercados de produção do país. A cidade é cercada de soutos, pomares, vinhas, oliveiras e castanheiros; de entre as espécies cerealíferas contam-se o trigo, o milho, o centeio e a cevada.
Nas letras distinguiram-se: Cristovão Falcão, José Duro e Luísa Grande (Luzia), nascidos nesta cidade, Frei Amador Arrais e José Régio, poeta que aqui viveu deixando uma obra vasta e cujo museu com o seu nome merece ser visitado.
Na política marcaram lugar de relevo Dr. Manuel Fratel, José Maria Grande, Diogo da Fonseca Achaioli, entre outros.
Na música tiveram nome: António Ferro, Manuel Tavares, João Vaz Barradas, entre outros.
Na pintura: Benvindo Ceia, João Tavares e Manuel D’ Assumpção.

Escola de Artes do Norte Alentejano



A Escola de Artes do Norte Alentejano (Conservatório Regional de Portalegre) criada em 1986 é uma Escola de natureza privada que enquadra nos objectivos do sistema educativo e goza das prerrogativas das pessoas colectivas de utilidade pública reconhecida por despacho do Senhor Secretário de Estado da Reforma Educativa, de 28 de Junho de 1991, vindo a desenvolver a sua actividade na área do Ensino Especializado da Música desde a sua criação.
Para suporte financeiro das suas actividades, a Escola mantém um contrato de patrocínio anual com o Ministério da Educação, tendo em conta os cursos leccionados e o numero de alunos que os frequentam.
Existem ainda protocolos de cooperação com os Municípios de Portalegre e de Ponte de Sôr, com a Federação de Bandas Filarmónicas do Norte Alentejano e com o Instituto Politécnico de Portalegre.

Sendo a sede da Escola em Portalegre, vem funcionando há três anos lectivos uma Secção em Ponte de Sôr que no presente ano lectivo se encontram matriculados em cursos oficiais cerca de 50 alunos.

A partir do ano lectivo 2002/2003 a Escola passou a ter turmas em regime de ensino articulado com alunos das escolas EB 2,3 José Régio e Cristóvão Falcão, de Portalegre, EB 2,3 do Crato, Alter do Chão, Campo Maior, Sousel, Ponte de Sôr e Escola Secundária Mouzinho da Silveira, havendo presentemente um total de 85 alunos matriculados nesta modalidade.

Também em 1998 foi celebrado um protocolo com a Secretaria de Estado da Inovação Educacional de forma a poder ser leccionada a disciplina de Iniciação Musical em 16 escolas do 1º Ciclo do Ensino Básico do Concelho de Portalegre, abrangendo cerca de 500 alunos, projecto que ainda se mantém em vigor.

De 1986 a 1994 a Escola funcionou provisoriamente em instalações cedidas pela Autarquia (Palácio Amarelo). A partir de 1994 a sua actividade passou a desenvolver-se em instalações da antiga Igreja da Misericórdia, propriedade da Câmara Municipal de Portalegre, que realizou obras de beneficiação para o fim especifico do ensino da música. Acrescenta-se que, apesar dos estatutos preverem o ensino da Dança, a mesma não foi ainda implementada por razões de espaço.



Site da Escola de Artes do Norte Alentejano:
www.eanap.com.pt

CARVOARIA NA RUA DO PIRÃO

Existe sempre uma Leiteira

LIXO



Pela beleza da Serra de São Mamede, aparecem monstros do lixo que não combinam com a Natureza. Agradece-se que a Autarquia as retire, já estão no local (Chancrão, estrada do Boletim Meteorológico) há várias semanas.